"O que verdadeiramente somos é aquilo que o impossível cria em nós." (Clarice Lispector)

sábado, 16 de julho de 2016

Cristão – quem é você


A palavra de Deus, no livro de Oséias, cap. IV, verso VI, primeira parte, diz: “O meu povo  foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento.” Dessa passagem se depreende o entendimento de que é importante para o cristão crescer também em conhecimento, pois esse é um dos ramos do poder.

Um cristão que bem maneja a Palavra da Verdade (2Tm 2-15) é um cristão mais difícil de ser ludibriado pelo inimigo, não propenso, dentre outras coisas, a dar ouvidos a doutrina de demônios (1Tm 4-1). Desse modo, o presente estudo tem o objetivo de revelar cinco pontos integrantes da identidade cristã, fazendo a ressalva de que tal rol é exemplificativo e não taxativo, uma vez que nosso Deus é fonte inesgotável de sabedoria e tesouros e assim, portanto, fomos agraciados por estas e por muitas outras coisas nas regiões celestiais (Ef 1-3).

Primeiro ponto: você é filho de Deus (Jo 1-12). Recebeu, ou melhor, reconheceu Cristo como Salvador e Senhor de sua vida? Parabéns! Você se tornou filho de Deus e olhe o que diz ainda o versículo: “... deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus...”.  Perceba: ser filho de Deus é um direito e também um poder que o próprio Deus nos concede;

Segundo ponto: você é irmão de Jesus (Rm 8-29). A compreensão deste segundo ponto decorre do primeiro. Uma vez feito membro da família de Deus (Ef 2-19), Cristo torna-se seu irmão;

Terceiro ponto: você é coerdeiro com Cristo (Rm 8-17). Este ponto, tal como o anterior, guarda relação com o primeiro. Acompanhe – filhos, logo herdeiros e coerdeiros de Cristo. Em outras eras, apenas o primogênito herdava os bens da família. Na atualidade, todos os filhos são herdeiros, não importando se detentores ou não da primogenitura. Cristo, conforme a Palavra,é o primogênito entre muitos irmãos, porém o que é Dele também é nosso;

Quarto ponto: você tem autoridade sobre as forças do mal (Lc 10-19). Os quatro evangelhos são ricos em passagens que corroboram a divindade de Jesus e, portanto, sua autoridade sobre os espíritos malignos. Nessa passagem, em especial, vemos que Ele revestiu a Sua Igreja com este mesmo poder;

Quinto ponto: Cristo é o dono da casa e você é o doméstico (Mt 10-25). Em algumas traduções bíblicas, ao invés da expressão “dono da casa” encontramos a expressão “pai de família”, mas isso não muda ou sequer atrapalha entendermos que Jesus é Senhor sobre nós, já que Ele é o Cabeça da Igreja (Ef 5-23). Isso significa dizer que estamos suscetíveis a padecer as mesmas aflições, calúnias, injustiças e/ou perseguições pelas quais Ele passou durante Seu ministério terreno. Em outras palavras, ser cristão é ser parecido com Cristo e assim, tal como somos convidados a alcançar a estatura do Varão Perfeito (Ef 4-11;14), imprescindível é que nos conscientizemos que isso implica, inclusive, padecermos por amor de Seu nome (MT 10-22).

Como considerações finais, temos que a pessoa, uma vez feita sua manifestação de fé em Cristo, reconhecendo Seu sacrifício expiatório; investida na família de Deus, e herdeira das coisas do Céu, não é mais a mesma, e muito menos pertence mais a este mundo (Jo 15-18; 19 e 17-14;16).


O viver pelo Espírito (Rm 8-5) e Nele frutificar (Gl 5-22) passam a ser as diretrizes do seu viver, não significando estar apartado, necessariamente, das coisas dessa terra, mas estas se tornam secundárias (Mt 6-33), inclusive, em seu coração (Lc 12-34).

terça-feira, 12 de julho de 2016

Primeiro Quinquênio




O mês de junho veio, se foi, porém é válido o registro de que, foi neste dito interstício de tempo que concretizei a ideia de inaugurar este espaço. Lembro-me como se fosse hoje minhas dúvidas, medos e incertezas de como seria a recepção de meu público, aliás, eu não sabia nem se teria um público!

Mas, o que outrora foi um turbilhão de emoções conflitantes, agora é o júbilo de um coração palpitante de alegria e uma alma cheia de gratidão ao Deus dos Céus por ter me concedido esse dom. Deixei-o enterrado por vários anos e quando resolvi exercita-lo novamente cheguei a questionar o que faria com tal coisa, uma vez que vivo em um país onde a maioria da população é analfabeta funcional. Foi daí que alguém me disse: “Escreva!” e assim o fiz, tal como Moisés ouviu o comando do Senhor: “... Diga ao povo que marche”.

Enfim, cinco anos, cinco mil e vinte e três (e contando) visualizações de página. É o Blog Ju Passinho comemorando seu primeiro quinquênio de existência, com a certeza de que ainda há um longo caminho a percorrer e muito ainda para se aprimorar, contudo basta a cada dia o seu mal.


Deixo aqui o meu abraço e o meu muito obrigado a você, querido leitor, sem o qual, esse labor seria vão. Felicidades a nós e que venham mais cinco!